Como formar um Conselho de Administração que agrega real valor à sua empresa?

Como formar um Conselho de Administracao que agrega real valor a sua empresa sem bordaEm um mercado cada vez mais competitivo e em constante mudança, empresas de médio porte devem considerar os benefícios existentes na formação de um Conselho de Administração. Apesar de muitas vezes serem formados por integrantes que não necessariamente agregam alto valor às empresas, como membros que lá estão apenas para defender seus próprios interesses (sejam individuais, de grupos, ou de famílias), cadeiras arranjadas para fins políticos, ou mesmo como posição de “aposentadoria” para um executivo um conselho cuidadosamente formado e mantido é um componente fundamental do sucesso de longo prazo de uma companhia. Nesta situação, cada membro do Conselho deve ser cuidadosamente escolhido levando em conta as contribuições de alto valor agregado que ele pode dar ao futuro da empresa.

Uma abordagem estratégica para a formação de um Conselho de Administração passa pelas seguintes etapas:

a) Escolha e seleção de Membros:

– Capacitação: definir quais as qualidades e conhecimentos que mais aportarão valor em cada cadeira do conselho, e a partir desta posição definir quem são os membros que podem atender tais necessidades.

– Diversidade: a composição de um Conselho deve contar com uma variedade grande de perfis, dada que esta aumenta a probabilidade de insights verdadeiramente relevantes para a tomada de decisões estratégicos de impacto.

– Comprometimento: os membros selecionados precisam estar comprometidos com a função. Isto significa alocar tempo para análise de relatórios, realização de contatos diversos, preparação para as reuniões, dentre outras atribuições de um conselheiro. Caso este comprometimento esteja prejudicado, a empresa precisa estar atenta para eventualmente realizar alterações no corpo do conselho30 Processo

– Preparação: o Conselho deve ser altamente participativo com o ciclo de planejamento estratégico, e as reuniões devem ser preparadas antecipadamente através de pautas pré-definidas e material para análise, de modo a permitir sessões de tomadas de decisão, e não de entendimento apenas.

– Pauta de decisões: a agenda das reuniões deve ser definida de modo criterioso, de modo a maximizar o uso do tempo disponível. Deste modo, devem-se priorizar temas estritamente estratégicos em detrimento a assuntos de natureza tática.

– Follow-up: os desdobramentos das decisões tomadas pelo Conselho devem ser executadas e reportadas regularmente. A falta de disciplina para implementar decisões pode se tornar um verdadeiro problema em algumas empresas.

c) Avaliação periódica: a participação e contribuição de cada membro deve ser periodicamente avaliada pelo Presidente do Conselho. Além disso, a adequação de cada perfil deve ser averiguada de acordo com o momento da empresa. Pode ser que um perfil seja necessário em um determinado período, e outro se faça mais oportuno no período seguinte. Assim, um Conselho não é formado por assentos permanentes, sua composição deve ser ajustada às necessidades estratégicas da empresa.

O papel do CEO é frequentemente solitário e um Conselho efetivo deve prestar-se a apoiá-lo em decisões de impacto, melhorando a qualidade da gestão da empresa como um todo. Um Conselho de alto nível pode representar um papel extremamente relevante para o sucesso a longo prazo de uma empresa. A Invistia e seus sócios têm larga experiência em diversos e está à disposição para apoiar em processos de formação e implementação de Conselhos de Administração.

Blog Attachment
  • 4-1-qual-o-valor-estrategico-dos-conselhos-de-administrac%cc%a7a%cc%83o

Artigos Relacionados