Quanto vale minha empresa?

Quanto vale minha empresa sem bordaTodo empresário possui, mesmo que intuitivamente, uma estimativa de valor de sua empresa. Tal estimativa é um número inquestionável, seja ela de origem racional ou emocional. Todo dono de empresa tem o direito de valorizar seu negócio de acordo com  o seu próprio pensamento. Portanto, antes que sofisticados modelos financeiros  de valuation “indiquem” que ele está equivocado, devemos nos antecipar e respeitar a percepção individual de cada empresário. Porém, por maior que seja sua convicção, sabemos que no fundo sempre existe a dúvida: “Afinal de contas, quanto vale a minha empresa?”.

Há vários métodos financeiros para se estimar o valor de uma empresa, e não faltam livros publicados a respeito. Ocorre que as variáveis possíveis (tangíveis e intangíveis) são tantas que diferentes analistas avaliando a mesma empresa podem chegar a valores distintos. Levando isto em consideração, algumas das abordagens mais comuns são:

  • Múltiplo de Vendas: em algumas indústrias o método de Múltiplo de Vendas (ou Receitas, ou Faturamento) é comumente utilizado como um meio prático para se calcular o valor de uma empresa. Uma das fraquezas desta abordagem é o fato dela assumir que os custos das empresas de um determinado segmento são comparáveis, e que portanto geram razoavelmente as mesmas taxas de lucratividade. Porém tem a seu favor a simplicidade, pois há situações em que informações de custos não são transparentes e deseja-se dar continuidade ao processo de algum modo.
  • Múltiplo de Lucros: apesar de haver diferentes definições de lucro, é normalmente aceito utilizar-se o EBTIDA (do inglês “Earnings Before Tax, Interest, Depreciation and Amortization, ou Lucro Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização – LAJIDA) como uma medida válida para estimativa de valor de empresa. Basicamente assumem-se premissas a respeito da capacidade de geração de lucros futuros para uma determinada empresa. Obviamente quanto maior o múltiplo, maior a expectativa de que esta empresa seja capaz de gerar lucros crescentes. Como exemplo, uma estimativa de 5 vezes EBTIDA implica que após 5 anos o investimento estará “recuperado” se a mesma performance se repetir ano a ano (grosseiramente falando, por não considerar o valor do dinheiro no tempo). Se mantida a mesma expectativa de obter-se o retorno do investimento em 5 anos, um outro exemplo de múltiplo de 10 vezes EBTIDA implica em uma expectativa de geração de lucro crescente.
  • Um modelo também baseado na projeção de lucros futuros, porém bem mais refinado e muito utilizado é o “Discounted Cash Flow” (ou Fluxo de Caixa Descontado, clique aqui para ler artigo específico sobre o assunto), em que a projeção de fluxo de caixa livre futuro é trazido ao valor presente através de uma taxa de desconto adequada ao contexto do negócio.

É importante ressaltar que qualquer que seja o valor calculado, isto não significa que as propostas de mercado se apresentarão próximas a tal cálculo, e nem ao menos se serão encontrados compradores dispostos a adquirir o negócio. Propostas de mercado são dependentes de contextos econômicos, grau de competitividade, de planos estratégicos de empresas e outros fatores.

Assim sendo, temos três valores distintos em consideração: a estimativa/expectativa dos donos da empresa, o valor teórico calculado, e as propostas reais de mercado. Nós da Invistia realizamos e utilizamos estudos de “Valuation” como apoio para a condução das nossas negociações. Para nós, o valor teórico nos serve como uma referência e um apoio para o nosso entendimento de valor, porém nada mais que isto. Afinal, o que vale são as propostas concretas vindas do mercado e a fase de negociação, cujos valores dependem de uma miríade de fatores influenciadores e que não estão refletidos nem mesmo nos modelos financeiros mais desenvolvidos. Caso elas sejam convergentes com as expectativas e necessidades dos nossos clientes, estarão então criadas as possibilidades de atingimento de um acordo.

Blog Attachment
  • quanto-vale-minha-empresa-sem-borda-2
  • venda-de-empresas-total-ou-parcial-sem-borda
  • qto

Artigos Relacionados